Quarta-feira, 30 de Abril de 2008

Sobre as Decisões de Carreira (I)

Ora viva. Estamos de volta. Directo à Questão.

Nas nossas duas próximas reflexões tentaremos perceber o que é que valorizam os alunos no momento da escolha de carreira. Afinal de contas, falamos do momento de decisão por um curso, por uma ocupação, por um destino de vida.

Com o aproximar do final do ano lectivo, milhares de alunos um pouco por todo o país vêem avizinhar, com maior ou menor ansiedade, o momento das grandes decisões de carreira. Em 2007, foram abertas mais de 46 mil vagas no ensino superior público. Cerca de 85% dos 40 mil candidatos foram colocados na primeira fase do concurso de acesso. Mas, afinal, o que é que norteia a decisão dos alunos no momento da escolha por este ou aquele curso, por esta ou aquela universidade ou instituto? Porque é que ouvimos sistematicamente expressões como “escolhi este curso porque me apeteceu” ou “vou para aquela universidade porque os meus amigos vão todos para lá” ou ainda “fui para aquele curso porque não consegui entrar naquele de que realmente gostava”?

Entrar para a universidade continua a ser sinónimo de aquisição de um certo estatuto social, apesar de ser cada vez menos uma garantia de sucesso profissional. Pese embora esta desvalorização dos títulos académicos no mercado de trabalho, a obtenção de um diploma continua a constituir um objectivo primordial para um crescente número de alunos. Assim, o diploma tem cada vez mais um valor cultural e menos um valor profissional. Chega a ser impressionante como muitos alunos pretendem ingressar no Ensino Superior apenas pelo estatuto auferido, na maior parte das vezes resultado, inclusive, de enormes pressões sociais (sobretudo, familiares) para o prosseguimento de estudos. Esta situação toma contornos particularmente relevantes se pensarmos como existe, em Portugal, uma enorme carência de profissionais qualificados de nível intermédio e que, para estes cursos, concorrem sobretudo alunos que não encontram vias de formação alternativas.

Mais grave ainda é a ausência completa, em muitos dos casos, de quaisquer motivos válidos para a escolha deste ou daquele curso, sobretudo quando se tratam de cursos completamente dissonantes com interesses, valores e expectativas dos alunos. O sistema montado para o processo de ingresso no Ensino Superior começa por partir, quanto a nós erradamente, do pressuposto de que os alunos possuem um auto-conhecimento e um nível de desenvolvimento de carreira que lhes permita uma escolha consciente, ou seja, parte do pressuposto errado de que os alunos possuem uma maturidade de carreira capaz de uma decisão racional e ponderada.

Contudo, o que podemos facilmente constatar é que a maior parte das decisões de carreira continuam a ser pautadas pelo acaso, pela arbitrariedade e pelo imediatismo. Muitas das vezes, os alunos escolhem uma profissão, não porque se imaginem e projectem no futuro a desempenhá-la, mas porque o vizinho do lado também assim fez, ou porque a formação na área não tem aquela disciplina considerada difícil. Por muito que se tente desconstruir todo um conjunto de ideias baseadas em informação parcelar e enviesada, muitas das decisões dos nossos alunos continuarão a fundar-se na comparação social com os colegas e na influência dos seus modelos de referência.

Mais de dois terços dos alunos matriculados no 12.º ano frequentam a Área de Ciências e Tecnologias. Destes, existe uma quantidade exorbitante de alunos que pretende seguir um curso superior na área das ciências da saúde. Cursos como os de Medicina, Ciências Farmacêuticas, Psicologia, Bioquímica ou Tecnologias da Saúde (por exemplo, Fisioterapia, Radiologia, Análises Clínicas, entre outros) figuram, ano após ano, nos primeiros lugares do top de preferências dos alunos, possuindo, por isso, elevadas médias de acesso. Parece-me que a existência de um tão elevado número de alunos “interessados” (e sublinhe-se o termo “interesse”) em enveredar por este tipo de cursos constitui uma probabilidade irrealista. É impossível que os interesses de todos os alunos que procuram estes cursos superiores convirjam no mesmo sentido; é impossível que haja, por “vocação” (mais um termo que sublinho, “vocação”), tantos médicos ou psicólogos, por exemplo.

Na próxima semana, proponho que analisemos os dois termos que acabei de sublinhar. Interesse e vocação. O que é que os distingue? Devemos ou não valorizar os interesses de quem decide? Devemos ou não continuar a falar em vocação?

Até lá. Directo à Questão.

publicado por Ricardo às 17:33
link do post | comentar | favorito
|
Quarta-feira, 23 de Abril de 2008

Entre a Causa Pública e a Ambição do Privado

Ora viva. Estamos de volta. Directo à Questão.

A recente mudança de Jorge Coelho, antigo Ministro da Administração Interna e das Obras Públicas do Governo de António Guterres, para a construtora Mota-Engil, depois de ter exercido funções na empresa enquanto consultor contratado, relançou o debate sobre a saída de figuras públicas da senda política para assumirem lugares de gestão em organizações privadas que integram sectores que tutelaram enquanto governantes.

A situação não é nova. Longe disso. São inúmeros os exemplos de políticos que saem do público para empresas privadas com um core business ligado às áreas em que foram governantes. Luís Parreirão, do Partido Socialista, foi Secretário de Estado das Obras Públicas do segundo mandato do Governo de António Guterres e é actualmente o presidente da Aenor e da empresa da Mota-Engil para as concessões e transportes. Pina Moura, também do PS, foi Ministro das Finanças e da Economia de António Guterres e actualmente lidera a espanhola Iberdrola. No lado oposto do espectro político, Ferreira do Amaral, influente nome do Partido Social Democrata, foi Ministro das Obras Públicas do Governo liderado Cavaco Silva e é o actual presidente da Lusoponte.

A oposição reagiu em bloco à fuga de Jorge Coelho para a Mota-Engil, afirmando que se trata de um acto denunciador da promiscuidade existente entre a gestão pública e a gestão privada. Será mesmo isso? Ou melhor, será mesmo só isso? Afinal, qual é a vantagem que as empresas privadas vêem na inclusão nos seus quadros de gestão de figuras que anteriormente passaram pelo Governo, sobretudo por ministérios ligados ao mesmo sector de mercado da empresa?

            O problema começa precisamente no sobrepeso do sector público na economia nacional. Estamos perante um Estado gordo e corpulento, excessivamente burocrático, desequilibrado e pouco produtivo. É certo que é necessário retirar o excesso de gordura que tolda a flexibilidade e reduz a produtividade do Estado; porém, é também necessário muscular o aparelho estatal no sentido de o tornar forte como fiscalizador e regulador. E esse desafio governativo está longe de ser cumprido.

Neste contexto de rigidez processual e elevado peso do Estado sobre as empresas, é fácil perceber a importância do conhecimento dos dossiers públicos e da experiência em funções governativas. Sobretudo quando o sector privado depende tanto do investimento público, como acontece na realidade nacional. E no caso particular das empresas de construção civil, como acontece com a Mota-Engil, fica ainda mais patente essa dependência directa do investimento público.

            Por outro lado, na decisão de saída para o privado sobreleva ainda o baixo reforço que constitui o trabalho no sector público. Basta tomar como exemplo o caso recentemente noticiado da fuga de médicos do público para o privado. Podemos então afirmar que a carreira no sector público é pouco aliciante? Mal paga? Demasiado criticada? Pouco compensada? Certamente que sim. No entanto, esta não é uma conclusão linear. Por muito mal pagos que sejam os políticos com influência na tomada de decisão governativa, não esqueçamos que o desempenho de cargos públicos tem um elevado peso no currículo de quem os exerce. É indesmentível que o desempenho de cargos na Administração Pública funciona não raras vezes enquanto rampa de lançamento para o trabalho no privado.

            Independentemente das motivações que possam ter levado Jorge Coelho a aceitar o convite da Mota-Engil e das questões éticas que devem nortear sempre uma decisão deste género, não devemos deixar de considerar esta etapa como um justo prémio de carreira para o incansável político do aparelho socialista. Não fosse essa imagem que criou junto dos círculos do PS, dificilmente teria surgido este convite.

Afinal de contas, as sociedades e os actores sociais têm o serviço público correspondente às suas expectativas. Nas palavras de Mintzberg, proeminente nome da gestão, se as pessoas alimentam crenças de que o Estado é pesado e burocrático, então é assim que ele será. Pelo contrário, se reconhecerem o serviço público enquanto a causa nobre que efectivamente representa, então encontrarão um Estado forte e justo. E uma nação necessita sobretudo de que ambos os sectores, público e privado, sejam fortes, interagindo num saudável equilíbrio.

Até para a semana. Directo à Questão.

publicado por Ricardo às 17:05
link do post | comentar | favorito
|
Quarta-feira, 16 de Abril de 2008

Sobre os Professores no Contexto do Actual Sistema de Ensino

Ora viva. Estamos de volta. Directo à Questão.

O recente entendimento conseguido entre o Ministério da Educação e os Sindicatos que representam a classe docente sobre a tão contestada questão da avaliação de desempenho dos professores constitui um marco histórico nas sempre conturbadas relações entre Governo e Associações Sindicais. No entanto, mais importante do que tentar perceber como andam as relações entre Sindicatos e Ministério, importa assinalar a relevância dos ajustes efectuados ao processo de avaliação de professores. Todas as partes parecem estar de acordo num ponto essencial: é importante proceder a uma avaliação justa e rigorosa do trabalho dos docentes. Os pontos de divergência são outros e conduziram a uma histórica marcha de protesto pelas ruas de Lisboa.

Um dos principais factores de discordância é a questão dos critérios de avaliação. Muito se tem discutido sobre a participação dos encarregados de educação no processo ou sobre a importância dos resultados escolares dos alunos na avaliação do desempenho de quem os ensina. O que é indiscutível é que um sistema de avaliação eficiente e rigoroso não existe sem critérios objectivos e deve resultar de métodos participados que envolvam o maior número de intervenientes possível.

Mais delicada é a questão dos prazos em que o processo deve decorrer. E é aqui que nos parece estar o mais decisivo ganho deste entendimento entre Sindicatos e Ministério. É simplesmente inconcebível introduzir um tão complexo sistema a meio de um ano lectivo. Por isso, era imperiosa a flexibilização de prazos sem prejuízo da continuidade do processo, já em andamento na maior parte das escolas do país. E tal foi conseguido, uma vez que os professores que dependem de uma avaliação este ano lectivo, designadamente os professores contratados, vão ver mesmo o seu desempenho avaliado, num processo mais simplificado.

Ora então temos que… O Ministério sai a ganhar porque mantém o processo de pé, ajustando apenas os timings de aplicação das regras. Os Sindicatos saem a ganhar porque, quer o Governo queira admitir ou não, o que é certo é que estamos perante um recuo. Assim sendo, não podíamos estar todos mais contentes. Ou será que podíamos?

Os professores continuam a ser uma das classes profissionais mais desmotivadas, que tantas vezes luta contra a maré como se acomoda na mediocridade, com efeitos devastadores em todo o sistema educativo. No nosso modo de ver, esta desmotivação resulta de uma heterogeneidade qualitativa e não de factores remuneratórios.

Se não vejamos: Os salários dos professores portugueses ponderados ao custo de vida estão no topo da tabela dos países da OCDE. O sistema de progressões foi ao longo dos anos, na prática, absolutamente automático, com consequências financeiras notórias. Dos cerca de 6 mil milhões de euros orçamentados anualmente para o sector da educação em Portugal, perto de 82% correspondem a despesas com o pessoal e apenas 2% a investimentos.

Contudo, como escrevia recentemente um professor numa das colunas de opinião do jornal Público, “os professores encontram-se desmotivados e tristes, pois são «pau para toda a colher», exigindo-lhes tudo, mas mesmo tudo”. O “professor caracol”, como já lhe chamaram, que anda de terra em terra, sem conseguir um lugar de efectividade numa escola, ao qual se encontra reservado um futuro incerto, pode ser uma das justificações para o que se passa actualmente com o corpo docente em Portugal.

Se a isso juntarmos o completo alheamento de muitos pais e encarregados de educação relativamente ao percurso escolar dos filhos, delegando nos professores toda a responsabilidade pela educação dos alunos e culpabilizando-os pelas situações de insucesso ou inadaptação, então facilmente percebemos porque é que a classe docente, com o seu tão importante papel civilizador, se encontra mergulhada num limbo, o qual prejudica gravemente o normal funcionamento de todo um sistema de ensino, já de si débil e frágil.

Não esqueçamos, pois, as palavras de Fernando Savater, São os professores que estão incumbidos de “lutar contra a fatalidade, contra o destino. A fatalidade de que o filho de um pobre seja sempre pobre, de que o filho de uma pessoa ignorante seja sempre ignorante e de que o filho de um fanático seja sempre um fanático. Para evitar essas fatalidades é que precisamos da educação”.

Até para a semana. Directo à Questão.

publicado por Ricardo às 15:48
link do post | comentar | favorito
|
Quinta-feira, 10 de Abril de 2008

Violência na Escola: A Culpa é do Sistema?

Ora viva. Estamos consigo. Directo à Questão.
Gostaria de começar por cumprimentar todo o auditório e agradecer a oportunidade que me é conferida pela Rádio Condestável para estar aqui convosco semanalmente a discutir os mais diversos assuntos de interesse geral, tendo como âncora de análise a vida em sociedade. Pretende-se que o Programa “Directo à Questão” constitua um espaço de reflexão dinâmico e actual sobre as questões que marcam o nosso quotidiano. Psicologia e Afectos, Vida e Saúde, Cidadania e Comunidade, Economia e Sociedade, Escola e Trabalho, Emprego e Carreira – são estes alguns dos motes que traremos a discussão, numa perspectiva simultaneamente pessoal e técnica, que não se pretende exaustiva ou unanimemente aceite. A ideia é precisamente o despertar de cada uma das nossas mentes para temas que convivem diariamente connosco e que merecem uma reflexão apurada. Queremos pô-lo a pensar. Só isso. Nada mais.
Escolhemos começar as nossas reflexões com um tema sobejamente debatido nos últimos dias, quer nos órgãos de comunicação social quer nas nossas mais descomprimidas conversas de café. O famoso vídeo que relata as agressões entre uma aluna do 9.º ano e a sua professora de Francês na Escola Carolina Michaelis, no Porto, provocou uma verdadeira onda de choque à escala nacional e relançou o debate em torno da temática da violência em contexto escolar.
Queremos, no entanto, abordar este tema sob o ponto de vista que verdadeiramente interessa ao cidadão português. As imagens falam por si e dispensam grandes comentários. Pouco adianta discutir se a professora envolvida soube impor o seu estatuto na sala de aula ou se a aluna teve uma reacção apropriada naquele contexto. De nada adianta especular sobre a sanidade mental da professora depois do incidente ou sobre um eventual futuro da aluna como estrela de cinema. Muito menos adianta colocar um batalhão de jornalistas à porta da Carolina Michaelis para perceber se a escola regressou à normalidade – como se fosse possível dar aulas com normalidade nestas condições!
Então será que houve algo de positivo na divulgação daquelas imagens e em fazer delas abertura de Telejornais? Evidentemente que sim. Contudo, consideramos que o debate deve ser centrado não nas imagens mas naquilo que elas representam.
Aludiria a alguns números oficiais para registar que a violência em meio escolar tem aumentado gradualmente nos últimos anos em Portugal. Segundo dados da Equipa de Missão para a Segurança Escolar, no ano lectivo 2004/2005 foram registadas mais de 1200 situações de agressão envolvendo alunos, professores ou auxiliares. Este número subiu para cerca de 1500 no ano lectivo 2005/2006 e os dados (ainda não oficiais) de 2006/2007 apontam para uma manutenção da tendência de subida. Estes valores são, contudo, minimizados pelas autoridades, que lembram estar em causa um universo de 1 700 000 alunos.
Que explicações podem ser avançadas para estes números? É indiscutível que uma parte significativa das situações de violência e indisciplina tem a sua origem no insucesso da escola em conseguir atingir os objectivos educativos que lhe são determinados. Parece-nos que o sistema educativo português teve, nas últimas décadas, um razoável sucesso na implementação de mecanismos que promoveram o crescente acesso de todos à educação escolar, mas falhou na criação de oportunidades para democratizar o sucesso escolar. O sistema de ensino, em nosso entender, não conseguiu responder cabalmente às exigências de uma escola para todos e muitos dos alunos continuam a não encontrar motivação e interesse num sistema que, apesar de todos os esforços, tende a valorizar a inteligência lógica e a capacidade de raciocínio.
Esta questão leva-nos a muitas outras. Mas há uma particularmente delicada, até melindrosa. Contudo, certamente uma das mais importantes reflexões que deve ser efectuada na sequência dos episódios da Carolina Michaelis. Reagiu o Ensino Privado aos lamentáveis incidentes afirmando que nas escolas particulares este tipo de situação jamais ocorreria. Esqueceram-se os mesmos responsáveis de referir que o Ensino Privado alberga apenas 7% do total de alunos inscritos em contexto de escolaridade obrigatória. Esqueceram-se os mesmos responsáveis de referir que os alunos das escolas privadas são seleccionados a dedo, tendo por base sobretudo critérios sócio-económicos. Esqueceram-se os mesmos responsáveis de mencionar que a escola pública não pode excluir nenhum aluno, devendo inclusive criar todas as condições para promover a inclusão e prevenir situações de risco.
Mas também é falso afirmar que são os alunos de insucesso escolar e sócio-economicamente desfavorecidos os mais violentos e indisciplinados. Deve ser rejeitado que a análise se possa centrar exclusivamente numa leitura marcada pela anterioridade e exterioridade do fenómeno da violência relativamente à realidade escolar. A violência em contexto escolar é um fenómeno em cadeia – não esqueçamos que agressividade gera agressividade - e dependente de muitas variáveis (antecedentes e consequentes) em interacção, o que dificulta sobremaneira a sua prevenção e intervenção.
O debate prossegue. Que seja menos centrado na exposição mediática dos casos e mais no diálogo entre os verdadeiros protagonistas do processo: escolas, professores, pais, alunos e demais agentes educativos. Porque só eles são catalizadores de mudança.
Voltaremos em breve a abordar a questão do Ensino em Portugal nas suas mais variadas vertentes.
Até para a semana. Directo à Questão.
publicado por Ricardo às 10:30
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

.Julho 2010

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.posts recentes

. A crise de Portugal vista...

. Como Joana Vasconcelos pu...

. Sobre o Impacto da Mexida...

. Sobre o Impacto da Mexida...

. Algumas Reflexões Sobre o...

. Algumas Reflexões Sobre o...

. Algumas Reflexões Sobre o...

. Os Cinco Anos Sobre a Abe...

. D. Pedro I – Entre a lend...

. A Criança com Epilepsia

.arquivos

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

.links

blogs SAPO

.subscrever feeds