Quinta-feira, 8 de Abril de 2010

D. Pedro I – Entre a lenda e o real, uma história ímpar na História nacional

 

Ora viva. Estamos de volta. Directo à Questão.

 

A 8 de Abril de 1320, faz amanhã precisamente 690 anos, nascia em Coimbra D. Pedro I, quarto filho do rei Afonso IV e de sua mulher, D. Beatriz de Castela. Cognominado "o Justiceiro", foi o oitavo rei de Portugal. Recordamos hoje a história de D. Pedro, entre a lenda e o real, uma das mais impares e sublimes histórias na História nacional.

Nascido na Lusa Atenas, a 8 de Abril do ano de 1320, D. Pedro foi coroado Rei de Portugal aos 37 anos de idade. Reinou por apenas 10 anos, de 1357 a 1367, como D.Pedro I. Como na época os casamentos eram arranjados desde a tenra idade em função de estratégias e interesses políticos, D. Pedro I e D. Constança, princesa e filha do Infante de Castela, D. João Manuel, vieram a casar-se. A noiva veio para Portugal, acompanhada por um séquito, do qual fazia parte uma aia Galega, chamada Inês de Castro que, segundo as crónicas, "não podia ser tocada de graças mais peregrinas, esbelta, cabelos fulvos...".. Filha do fidalgo Pedro Fernandez de Castro, Inês, segundo os poetas, era uma mulher lindíssima, e o príncipe D. Pedro I depressa se apaixonou perdidamente por ela. E foi por ela que D. Pedro deixou de lado as conveniências de Estado e as reprovações de todos.

A corte considerava uma afronta aquela ligação indecorosa pelos problemas morais e religiosos que levantava, bem como pelo perigo que a influência da família dos Castros de Espanha poderia trazer à coroa portuguesa. As intrigas que chegavam ao Rei D. Afonso IV, apressavam o monarca a agir. Brando de costumes, mas firme de valores, o Rei despacha D. Inês para o exílio próximo à fronteira Espanhola em 1344. A distância, no entanto, em nada alterou a paixão de Pedro e Inês. Com a morte de D. Constança, o Rei tenta, novamente, casar seu filho com uma dama de sangue real, tendo D. Pedro rejeitado a ideia e trazido Inês do exílio para a instalar com ele nas bucólicas margens do Rio Mondego no Paço de Santa Clara, em Coimbra.

Embora D. Afonso compreendesse as razões daquela ligação perigosa, todo o enredo político-social da época levou-o a tomar uma decisão drástica. Em reunião convocada sem a presença de D. Pedro, ficou definida a execução de D. Inês. Apesar de ser mãe de três filhos de D. Pedro, os executores régios, aproveitando a ausência de D. Pedro numa das suas habituais caçadas, entraram no Paço e ali decapitaram Inês com apenas 30 anos de idade.

Inconsolável com a perda de Inês, D. Pedro chegou a declarar guerra ao pai. Dois anos depois, aquando da morte de D. Afonso IV e da sua subida ao trono, D. Pedro diligenciou a captura dos assassinos de D. Inês. Diz a lenda, não documentalmente provada e aparentemente obra de poetas da época, que D. Pedro chegou a fazer coroar rainha D. Inês, obrigando a nobreza, que tanto a tinha desprezado, a beijar-lhe a mão, depois de morta.

Cumprida a sua vingança, D. Pedro I ordenou a translação do corpo de Inês, da campa modesta no Mosteiro de Santa Clara, em Coimbra, onde se encontrava, para um túmulo delicadamente lavrado, qual renda de pedra, que mandou colocar no Mosteiro de Alcobaça. Mais tarde, D. Pedro I mandou esculpir outro túmulo semelhante ao da sua amada, colocando-o em frente ao da sua Inês, para, após a sua morte, permanecer ao lado do seu grande amor.

Homem maduro, experiente e conhecedor do país, Pedro foi amado pelo povo e temido pelos grandes. Fernão Lopes não lhe regateia louvores: alegre, magnânimo, liberal, justo, popular e cavalheiro. No entanto, os historiadores modernos têm visto antes D. Pedro como um homem agressivo e neurótico.

Chamaram-lhe o Cru, ou cruel, e consta que terá sido. Mas foi-o castigando crimes, os mais variados, nas mais variadas pessoas, sempre de uma forma que hoje podíamos dizer democrática. Foi por isso que o chamaram também de Justiceiro. No ano de 1361, faz dos seus filhos com Inês de Castro, D. João e D. Dinis, senhores de Porto de Mós e do Prado. A outro filho mais novo, o bastardo D. João, filho de Teresa Lourenço, faz nomear Mestre de Avis, iniciando a nacionalização das ordens militares e baptizando, sem saber, a dinastia de todos os orgulhos portugueses. Foi assim o “avô” da Dinastia de Avis. Demonstrou ser político muito hábil e previdente, privilegiando sempre a paz do reino, o que conseguiu. O governo de D. Pedro I foi o único do século catorze em que Portugal não conheceu guerras. Faleceu a 18 de Janeiro de 1367.

Eis um misto de história e lenda, imortalizada em poemas, pinturas, musicas, peças, textos e esculturas. O que é facto incontestável é o grande amor que uniu D. Pedro e Inês de Castro, tanto na vida quanto após a morte, continua a encantar o mundo há quase 700 anos. Uma verdadeira história de paixão na História de Portugal - sublime e trágica, demonstrando toda a magia da devoção entre dois amantes.

 

 

Até para a semana. Directo à Questão.

publicado por Ricardo às 00:46
link do post | comentar | favorito
|

A Criança com Epilepsia

 

Ora viva. Estamos de volta. Directo à Questão.

 

A Epilepsia é uma doença caracterizada pela existência de crises anómalas que tendem a repetir-se e que partem de descargas cerebrais. Tratam-se de descargas eléctricas patológicas síncronas de grandes grupos de células cerebrais. Na base deste processo poderão estar factores como uma pré-disposição hereditária, uma lesão orgânica ou uma situação de stress emocional, entre outros. Pode afectar pessoas de todas as idades, mas é sobre a Epilepsia em idade infantil que debruçamos hoje a nossa análise. Como lidar com uma criança com Epilepsia? Quais os sinais de alerta e que estratégias adoptar? Aqui ficam algumas sugestões.

Na Epilepsia, as crises mais frequentes são as convulsões. É o chamado grande mal. Na convulsão há, geralmente, vários estádios:

-         O corpo fica hirto

-         A criança cai sem consciência

-         A cor torna-se escura e os lábios ficam roxos (uma vez que não respira, os músculos respiratórios encontram-se contracturados)

Num período seguinte:

-         A criança é sacudida por abalos

-         A respiração torna-se ruidosa

-         Verificam-se contracções de todos os músculos (poderá morder a língua ou magoar-se quando na proximidade de objectos perigosos)

A pouco e pouco, estas contracções diminuem de intensidade, a criança passa a respirar melhor e o ataque cessa.

Um outro tipo de crise, o pequeno mal, caracteriza-se por uma paragem das actividades ou continuação das mesmas de uma forma imperfeita. Os sintomas são, um olhar vago, uma lentificação ou bloqueio motor e uma ausência de respostas.

É extremamente importante que pais, educadores ou demais pessoas que convivem directamente com a criança epiléptica estejam prevenidos para poder tomar a atitude adequada à situação.

Perante uma crise é sempre aconselhável:

-         Deve manter-se calmo

-         Deve desapertar o cinto à criança ou outros acessórios que o possam constringir

-         Deve evitar sobreproteger a criança

-         Deve evitar a rejeição escolar da criança

-         Deve proporcionar condições de repouso ao doente após as crises

As dificuldades de uma criança com epilepsia são as mesmas de qualquer outra. Contudo, se a frequência das crises aumenta, as dificuldades poderão aumentar e a condição poderá sofrer um agravamento.

O epiléptico necessita de um ambiente equilibrado, seja ele familiar, educacional ou profissional. No caso de uma criança, é particularmente relevante saber lidar em situação de crise, sem dramatizar o momento e actuando em conformidade. Sobretudo quando ocorre em contexto escolar, as precauções devem ser maiores.

Se é um doente epiléptico, familiar ou amigo de uma criança com epilepsia nunca esqueça que própria ansiedade ou um estilo inapropriado dos seus agentes de socialização mais próximos pode desencadear uma crise de Epilepsia.

Não esqueça nunca que o doente Epiléptico pode e deve ser integrado socialmente e fazer uma vida normal.

 

 

Até para a semana. Directo à Questão.

 

publicado por Ricardo às 00:42
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

.Julho 2010

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.posts recentes

. A crise de Portugal vista...

. Como Joana Vasconcelos pu...

. Sobre o Impacto da Mexida...

. Sobre o Impacto da Mexida...

. Algumas Reflexões Sobre o...

. Algumas Reflexões Sobre o...

. Algumas Reflexões Sobre o...

. Os Cinco Anos Sobre a Abe...

. D. Pedro I – Entre a lend...

. A Criança com Epilepsia

.arquivos

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

.links

blogs SAPO

.subscrever feeds