Quinta-feira, 14 de Janeiro de 2010

O Grande Tema para a Nova Década: O desafio das redes sociais (I)

 

Ora viva. Estamos de volta. Directo à Questão.
 
            Na última semana, foi noticiado que o Facebook ultrapassou pela primeira vez o Hi5 em número de visitas diárias em Portugal, mas não em número de utilizadores. Falamos de toda uma nova realidade. As redes sociais, que povoam a Internet e também cada vez mais o dia-a-dia de todos nós. O Myspace, o Facebook, o Hi5, a blogosfera, o Orkut, o YouTube, o Twitter, o Flickr, o Second Life ou o Linkedln, fazem parte do quotidiano de milhões e milhões de pessoas, instituições e empresas. Estas redes constituem provavelmente o maior desafio da nova década. Qual a influência deste tipo particular de fenómeno da era digital no quotidiano de cada um de nós? Discutimos nas nossas próximas reflexões o desafio das redes sociais na segunda década do século XXI.
2008. Campanha de Barack Obama rumo à presidência dos Estados Unidos da América. Nunca antes um político beneficiou tanto do poder das redes sociais. Se é verdade que não foi o pioneiro - a Jonh Kerry devem ser dados os louros - teve o mérito de ter sido o que melhor a soube aproveitar em seu benefício – através delas angariou mais de 500 milhões de dólares, permitiu o contacto entre apoiantes em diferentes pontos dos EUA, formou inúmeros grupos de trabalho local, colocou mais de 1800 vídeos promocionais no canal próprio Youbama e mais de 20 mil fotografias de campanha no Flick, sem esquecer o movimento cívico “do-it-yourself” com 2 milhões de apoiantes através da rede social própria “mybarackobama.com”. No dia 4 de Novembro, o decisivo dia das eleições norte-americanas, imediatamente antes de sair para Chicago, onde fez o seu discurso de vitória à nação, Barack Hussein Obama terá ligado o seu computador para escrever o seguinte: "Vou agora para o Grant Park falar com todos os que estão lá reunidos, mas queria escrever-te primeiro. Acabámos de fazer história. E eu não quero que te esqueças como o fizemos. Temos ainda de fazer muito para voltar a por o nosso país nos eixos. Vou voltar a contactar-te sobre o que se segue." Foi um dos primeiros actos do novo Presidente dos Estados Unidos da América. Minutos depois, todos os que se tinham registado na página de Obama na internet receberam esta mensagem no seu email. A campanha estima que tivessem sido cerca de 3,1 milhões em todo o mundo.
Mas há mais.
Recentemente, uma página de apoiantes de Manuel Alegre aberta no Facebook confundiu jornalistas, que noticiaram um arranque da candidatura oficial daquele político. A página intitula-se “Manuel Alegre para Presidente da República em 2011″, foi elaborada por pessoas ligadas ao PS e a Manuel Alegre e entre os primeiros “fãs” estão nomes que o apoiaram anteriormente, mas nenhuma indicação no grupo permite concluir tratar-se de uma página oficial. O próprio jornal i chegou a afirmar: “o candidato presidencial Alegre já está nas redes sociais“. Contudo, à comunicação social, Manuel Alegre já confirmou que não esteve na origem da criação da página, que serve apenas para reunir apoiantes do ex-candidato e possível recandidato a Presidente da República. Contudo, o seu peso na decisão de Alegre deverá ser inegável.
Mas há mais.
Decorre a maior e mais exigente competição de todo o terreno à escala mundial. O Dakar 2010 é na Argentina e no Chile, mas a prova do piloto português Carlos Sousa está a ser noticiada em tempo real na Internet, usando, claro, as redes sociais. É assim que chega a informação ao público e feito muito do contacto com jornalistas e publicações. No Twitter, a conta de Carlos Sousa faz o acompanhamento das etapas do Dakar em directo, fornecendo pormenores e informações também de carácter noticioso. Já na página do Facebook do piloto existe um envolvimento mais pessoal, não apenas porque Carlos Sousa já faz, ele próprio, entradas na conta, mas também na medida em que as declarações são reproduzidas com grande amplitude e num registo multimédia.
São exemplos do peso e da importância das redes sociais da internet nos dias de hoje. Na próxima semana, prosseguimos a nossa reflexão sobre aquele que consideramos o maior desafio para a nova década.
 
Até para a semana. Directo à Questão.
 
publicado por Ricardo às 10:24
link do post | comentar | favorito
|
1 comentário:
De TEMOS QUE FORMAR UM PARTIDO BEIRÃO !!! a 3 de Abril de 2010 às 01:17
DEFENDEMOS AS BEIRAS E O INTERIOR DE PORTUGAL....TEMOS QUE FORMAR UM PARTIDO BEIRÃO !!!


Não te enchas de ilusão BEIRÃO.

Cada vez que tu BEIRÃO votas no PS ou PSD estás a dar punhaladas no teu próprio coração de BEIRÃO ou no do teu irmão ou até mesmo no de uma doutra nossa geração

HÁ QUE FUGIR DO PS E DO PSD...TER MEDO DELES COMO DO LUME...CUIDADO E ATENÇÃO BEIRAS O NOSSO DESTINO ESTÁ NAS NOSSAS MÃOS ....ESTAMOS A BEIRA DE TUDO!!!!SUCESSO E PROGRESSO ....TEMOS QUE SER UNIDOS.....OU ESTAR A ESPERA DE ESMOLA DA PARTE DESTES PARTIDOS, PARA QUEM SOMENTE O LITORAL CONTA... O PS E PSD DURANTE OS ÚLTIMOS 30 ANOS FAZ E METE EM PRATICA UMA POLITICA DE PRAIA...COMO SE ESTIVESSEM SEMPRE DE FERIAS A BEIRA MAR?????

TEMOS QUE FORMAR UM PARTIDO DAS BEIRAS, UNIR PORTUGAL INTERIOR .
ESQUECEMOS ESTA PRATICA DE POLITICA REPUGNANTE DA PARTE DO PS E DO PSD.
COMO SE O VERÃO EM PORTUGAL TIVESSE 365 DIAS E ESTIVESSE-MOS TODOS SEMPRE DE FERIAS A VIVER A BEIRA MAR....ISTO E O PS E PSD DOS ÚLTIMOS ANOS.. SÃO PARTIDOS DE PROMESSAS, NUNCA COMPRIDAS.
ESTAMOS FARTOS...FORMAMOS UM PARTIDO......FORMAMOS UM PARTIDO.. SEJA LÁ ELE COMO FOR ....PROTEGEMOS A NOSSA BEIRA E O INTERIOR DE PORTUGAL...Já sabemos desde principio que nunca ganharemos PORTUGAL INTEIRO....mas seremos um PARTIDO DOS BEIRÕES a defender os interesses dos BEIRÕES !!!!e a balança na assembleia????---votar mais uma vez no PS ou no PSD é como meter uma espada no nosso coração!
OS BEIRÕES PRECISAM DE UM PARTIDO FORTE BEIRÃO!!!E DE UMA UNIÃO FORTE !!!!!!!!!!!!!!!!!!-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
Em suma, a Beira Interior é uma região com grande potencial, mas que tem sido desprezada continuamente pelos governos centrais, por pura falta de vontade política. Se tudo continuar como está, e mesmo com a regionalização sob o mapa das 5 regiões-plano , a Beira Interior continuará dependente do Litoral, que desconhece as realidades, e desvia os fundos e as medidas que são indispensáveis à sobrevivência da Beira Interior, e acabará por morrer, como já está a acontecer aos poucos com a maioria das aldeias e vilas. A única forma de reverter esta situação e evitar a morte da Beira Interior é uma regionalização que atribua notoriedade e poder efectivo à Beira Interior, de modo a que aqui se possam aplicar as melhores políticas, que se coadunem com a realidade específica desta região.


Comentar post

.mais sobre mim

.pesquisar

.Julho 2010

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.posts recentes

. A crise de Portugal vista...

. Como Joana Vasconcelos pu...

. Sobre o Impacto da Mexida...

. Sobre o Impacto da Mexida...

. Algumas Reflexões Sobre o...

. Algumas Reflexões Sobre o...

. Algumas Reflexões Sobre o...

. Os Cinco Anos Sobre a Abe...

. D. Pedro I – Entre a lend...

. A Criança com Epilepsia

.arquivos

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

.links

blogs SAPO

.subscrever feeds