Quarta-feira, 12 de Novembro de 2008

“Flexisegurança” ou «corrosão do carácter»? (I)

 

Ora viva. Estamos de volta. Directo à Questão.
Numa economia de “pleno emprego”, o trabalho não é apenas um meio de produção de riqueza, mas também um meio de integração social. O trabalho remunerado com duração indeterminada (salário regular colectivamente negociado, e um conjunto de direitos e garantias) tornou-se uma importante fonte do desenvolvimento identitário, ético e cognitivo do indivíduo, conferindo um estatuto social ao trabalhador.
Nesta cada vez mais utópica sociedade, predomina o trabalho remunerado regular efectuado numa empresa, com base num vínculo contratual estável e num compromisso de longo prazo que fundamenta a autonomia e a cidadania.
Contudo, as profundas mutações actuais da organização económica e social colocam cada vez mais em causa os conceitos e as representações de trabalho, emprego e empresa que foram construídas desde o início do século XX. Com o início da falência do modelo tradicional de organização e gestão, que funcionava segundo modelos tayloristas de produção em massa, constatamos que a estabilidade e previsibilidade é, hoje em dia, substituída pela mudança e flexibilidade, consequência dos modelos económicos de desenvolvimento actuais, sustentados numa lógica de globalização da economia e do próprio conhecimento. Seríamos ingénuos se considerássemos que estas alterações têm apenas consequências ao nível do trabalho. Afectam de igual forma a organização das relações sociais, profissionais e a própria organização mental do indivíduo.
Estas modificações implicam a crise do “pleno emprego”, do trabalho assalariado, da integração social pelo emprego, e, ao mesmo tempo, a crise do Estado-providência (Welfare State) e das formas de regulação social do trabalho – aspectos que, adicionados ao aumento de liberdade de acção das empresas, podem contribuir para a disseminação de empregos precários (mal pagos, incertos, não oferecendo perspectivas de progresso profissional).
Em rigor, o trabalho assalariado sofreu grandes metamorfoses nas últimas décadas. A diversificação e a flexibilização das suas formas encontram-se associadas à complexificação, heterogeneização e fragmentação do trabalho entendido como actividade produtiva.
Contudo, existem riscos nesta nova realidade, bem ilustrados por Richard Sennett. Segundo Sennett, “a flexibilidade, vista a partir de baixo, é a fragmentação do tempo, é viver em risco de ambiguidade, é perder a noção de estabilidade, é a vida feita de sucessivos agoras e recomeços contínuos. A flexibilidade é o subtil fim da carreira profissional e o desprezo pela experiência acumulada... a corrosão do carácter”.
O contrato de trabalho, tal como o conhecíamos, está a ser progressivamente questionado enquanto dimensão aparentemente antagónica da flexibilidade laboral. Uma das figuras emblemáticas do contrato de trabalho, a melhoria das condições de remuneração e de carreira de acordo com a antiguidade na empresa, tem entrado em declínio. O ritmo acelerado da evolução tecnológica tem originado uma dessintonia entre mérito e antiguidade, fazendo com que os trabalhadores não se consigam manter actualizados e entrem precocemente na situação de “ramos mortos”. A não resolução deste problema, mormente através do recurso a formação profissional adequada, conduz necessariamente a um processo designado de ruptura tecnológica, em que as organizações têm, simultaneamente, pessoas a mais (sem as competências indispensáveis para o futuro) e pessoas a menos.
Na próxima semana prosseguiremos a nossa reflexão, mantendo a tónica nos desafios impostos pelo actual contexto sócio-económico ao clássico paradigma de trabalho.
Até para a semana. Directo à Questão.
publicado por Ricardo às 11:44
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

.Julho 2010

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.posts recentes

. A crise de Portugal vista...

. Como Joana Vasconcelos pu...

. Sobre o Impacto da Mexida...

. Sobre o Impacto da Mexida...

. Algumas Reflexões Sobre o...

. Algumas Reflexões Sobre o...

. Algumas Reflexões Sobre o...

. Os Cinco Anos Sobre a Abe...

. D. Pedro I – Entre a lend...

. A Criança com Epilepsia

.arquivos

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

.links

blogs SAPO

.subscrever feeds