Sexta-feira, 5 de Fevereiro de 2010

A Segurança, a Higiene e a Saúde no Trabalho

 

Ora viva. Estamos de volta. Directo à Questão.
 
A existência de condições de Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho constitui o requisito essencial para que qualquer trabalhador se sinta bem no seio de uma organização, o que, necessariamente, se traduz numa postura positiva perante o trabalho e na melhoria do desempenho profissional. Deve constituir prioridade de execução de qualquer organização proporcionar a todos os seus trabalhadores condições de trabalho que garantam a sua realização pessoal e profissional.
A evolução de ordem técnica, económica e social dos contextos organizacionais tem vindo a gerar novos riscos ocupacionais, passíveis de romper o equilíbrio físico, mental e social do trabalhador, e uma consequente necessidade de desenvolver técnicas e metodologias para o seu controlo efectivo. O velho slogan da NASA “failure is not an option” (falhar não é opção) revela-se apropriado para descrever o desafio colocado aos sistemas organizados modernos, no tocante à prevenção de riscos profissionais. Para um público cada vez mais consciente e informado, os problemas ligados à segurança, à saúde e ao ambiente são cada vez menos aceitáveis. Muito embora ninguém acredite que a perfeição seja possível, não deixa de ser notável, no panorama actual, uma crescente procura de condições óptimas de Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho.
Nesta perspectiva se compreende o relevo particularmente significativo que o ordenamento jurídico-constitucional português reservou à temática da Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho, bem como o subsequente emergir, no contexto organizacional nacional – tanto no sector público como no privado –, de Serviços de Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho, com a missão explícita de polarizar a gestão da prevenção de riscos profissionais.
Neste sentido, a prevenção dos acidentes de trabalho e das doenças profissionais constitui-se como um importante aspecto social para a organização e para a própria política de saúde de um país, na perseguição de uma crescente e constante melhoria das condições de vida da população. É neste prisma que a Segurança, Saúde e Ambiente são, actualmente, considerados pela Organização das Nações Unidas e pela União Europeia como sendo factores indicadores das condições de trabalho, no sentido lato da expressão.
Ainda sob outro ângulo, a Segurança, Saúde e Ambiente apresentam-se como excelentes soluções económicas, dado que tendem a reduzir os acidentes, a abstinência laboral e aumentarem a satisfação no trabalho, acarretando benefícios económico-financeiros directos e indirectos para a gestão. 
A Segurança no Trabalho diz respeito ao conjunto de medidas técnicas, educacionais, médicas e psicológicas empregues para prevenir acidentes, quer eliminando as condições inseguras da envolvente, quer sensibilizando e instruindo os trabalhadores para a adopção de práticas preventivas.
Já a Higiene no Trabalho refere-se ao conjunto de normas e procedimentos que visa a protecção da integridade física e mental do trabalhador, preservando-o dos riscos de saúde inerentes às tarefas do cargo e ao ambiente físico onde são executadas. Tem um carácter eminentemente preventivo, na medida em que objectiva a saúde e o conforto do trabalhador, designadamente, mediante o diagnóstico e a prevenção das doenças ocupacionais, evitando assim que este se ausente provisória ou definitivamente do trabalho. Envolve, pois, o estudo e controlo das condições ambientais de trabalho que influenciam o comportamento humano.
A Saúde no Trabalho, por seu turno, concerne o domínio da vigilância médica (exames médicos individuais de avaliação da saúde), estendendo-se igualmente ao controlo dos elementos físicos e psicológicos que possam afectar a saúde dos trabalhadores.
A avaliação, o controlo e a prevenção dos aspectos do trabalho passíveis de prejudicar a integridade física e psicológica dos trabalhadores cabem, nas organizações modernas, aos Serviços de Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho, que devem polarizar e articular um conjunto de instrumentos, meios técnicos e procedimentos orientados para o fim último de atingir níveis de segurança, higiene saúde e bem-estar elevados.
 
Até para a semana. Directo à Questão.
 
publicado por Ricardo às 17:26
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

.Julho 2010

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.posts recentes

. A crise de Portugal vista...

. Como Joana Vasconcelos pu...

. Sobre o Impacto da Mexida...

. Sobre o Impacto da Mexida...

. Algumas Reflexões Sobre o...

. Algumas Reflexões Sobre o...

. Algumas Reflexões Sobre o...

. Os Cinco Anos Sobre a Abe...

. D. Pedro I – Entre a lend...

. A Criança com Epilepsia

.arquivos

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

.links

blogs SAPO

.subscrever feeds